ENTEROTOXINA ESTAFILOCÓCICA

Em 23 de dezembro de 2019, foram publicadas a Resolução Anvisa – RDC nº 331 e a nova Instrução Normativa nº 60, que ampliaram na legislação brasileira de alimentos alguns aspectos antes pouco explorados. 

Um dos parâmetros incluídos e que vem gerando grande interesse dentre os produtores de alimentos no Brasil é a necessidade de detectar a presença de enterotoxina estafilocócica nos alimentos prontos para oferta ao consumidor.

Quando pensamos em segurança de alimentos e microbiologia, é importante lembrar que nem sempre o risco são os micro-organismos vivos nos alimentos. Algumas das mais importantes intoxicações alimentares são causadas por toxinas produzidas por esses micro-organismos.

A toxina estafilocócica é produzida por um velho conhecido, o Staphylococcus aureus.

Ela está naturalmente presente na pele, nariz, garganta, cabelo, pelos de pessoas e animais e penas de aves, e é associada a infecções de pele e abcessos, como as acnes. Essa presença tão comum e natural favorece a contaminação de alimentos por esse micro-organismo.